sábado, 28 de abril de 2012

A História do Caboclo Pena Branca



CABOCLO PENA BRANCA

Nasceu em aproximadamente 1425, na região central do Brasil, hoje, entre Brasília e Goiás, onde seu pai era o Cacique da tribo. Era o filho mais velho de seus pais e desde cedo se mostrou com um diferencial entre os outros índios da mesma tribo, era de uma extraordinária inteligência.
Na época não havia o costume de fazer intercâmbios e trocas de alimentos entre tribos, apenas algumas faziam isto, pois havia uma cultura de subsistência, mas o Cacique Pena Branca foi um dos primeiros a incentivar a melhora de condições das tribos, e por isso assumiu a tarefa de fazer intercâmbios com outras tribos, entre elas a Jê ou Tapuia, e Nuaruaque ou Caríba.
Quando fazia uma de suas peregrinações ele conheceu na região do nordeste brasileiro (hoje Bahia), uma índia que viria a ser a sua mulher, chamava-se "Flor da Manhã" a qual foi sempre o seu apoio.
Como cacique, foi respeitado pela sua tribo de tupis, assim como por todas as outras tribos e continuou, apesar disso, seu trabalho de itinerante por todo o Brasil na tentativa de fortalecer e unir a cultura indígena.
Certo dia Pena Branca estava em cima de um monte na região da atual Bahia, e foi o primeiro a avistar a chegada dos portugueses nas suas naus, com grandes cruzes vermelhas no leme. Esteve presente na 1ª missa realizada no Brasil pelos jesuítas, na figura de Frei Henrique de Coimbra.
Desde então procurou ser o porta-voz entre índios e os portugueses, sendo precavido pela desconfiança das intenções daqueles homens brancos que ofereciam objetos, como espelhos e pentes, para agradá-los.
Aprendeu rapidamente o português e a cultura cristã com os jesuítas.
Teve grande contato com os corsários franceses que conseguiram penetrar (sem o conhecimento dos portugueses) na costa brasileira - muito antes das grandes invasões de 1555 - aprendeu também a falar o francês.
Os escambos, comércio de pau-brasil entre índios e portugueses, eram vistos com reservas por Pena Branca, pois ali começaram as épocas de escravidão indígena e a intenção de Pena Branca sempre foi a de progredir culturalmente com a chegada desses novos povos, aos quais ele chamava de amigos.
Morre com 104 anos de idade, em 1529, o Cacique Pena Branca, deixando grande saudade em todos os índios do Brasil, sendo reconhecido na espiritualidade como servidor na assistência aos índios brasileiros, junto com outros espíritos, como o Cacique Cobra Coral.
Apesar de não ter conhecido o Padre José de Anchieta em vida, já que este chegou ao Brasil em meados de 1554, Pena Branca foi um dos espíritos que ajudou este abnegado jesuíta no seu desligamento desencarnatório.
Por esse Brasil afora , sabe-se da presença constante nos terreiros de Umbanda do grande cacique Pena Branca. Ele baixa firme e elegante, dando brados e vivas imponentes. Com ele, também incorporam outros “penas”: Pena Azul, Pena Negra, Pena Verde , Pena Amarela, etc... Coincidência?  Nas casas onde ele tem presença garantida , ele as protege contra as investidas de espíritos das trevas , age na reposição fluídica  , comanda  equipe de socorristas  a atua nas atividades de passes. O caboclo Pena Branca realiza tarefas, pelo domínio e conhecimento profundos que ele tem sobre manipulação fluídica e sobre os recursos da natureza, sendo grande colaborador de trabalhos de cura.
Nas andanças pelo país , num terreiro ,perto do congá, estava um rapaz incorporado com um caboclo. Atento, o índio ouvia pacientemente uma velha senhora e a limpava com um maço de ervas perfumadas.   A senhora chorava muito e tremia.  No final da sessão, o semblante dela havia mudado. Feliz, ela sentou-se no banco da assistência e orava agradecida.
Curioso, eu me aproximei e perguntei o nome da entidade que a atendeu. A velha irmã respondeu com reverência. Adivinhe o nome do caboclo.  Ele mesmo, o grande índio Pena Branca!   Numa bela noite, em um modesto e tranqüilo terreiro umbandista do interior paulista, acontecia uma gira de caboclo. A líder do terreiro abriu o trabalho e incorporou. Seu Pena Branca estava em terra, em todo o seu esplendor e força. O caboclo Pena Branca riscou seu ponto, pediu um charuto, deu algumas ordens ao cambono e olhou para onde eu estava. Senti uma estranha energia percorrer minha espinha. Ele continuou olhando e acenou. Levantei-me e acenei de volta.Foi então que ele falou: - Filho, era eu, lembra? Tem aí um maço de ervas bem cheiroso para mim? 

Salve Seu Pena Branca!




22 comentários:

  1. Salve seu Pena Branca!!!

    ResponderExcluir
  2. SALVE SEU PENA BRANCA

    ResponderExcluir
  3. Salve seu Pena Branca!!!!Meu mestre divino!!!

    ResponderExcluir
  4. Salve seu Pena Blanca, meu Guia e meu Protetor de todas as horas.

    ResponderExcluir
  5. Sinto-me honrada por conhecê-lo.
    Salve Seu Pena Branca!!!

    ResponderExcluir
  6. me sinto lisongeada em ter o caboclo pena branca!!

    okê caboclo pena branca!!
    ass::cristiane.

    ResponderExcluir
  7. Salve seu Pena Branca

    ResponderExcluir
  8. DO GRANÇAS A DEUS POR TELO POR PERTO! DE MIM E DE TODOS''
    ''SALVE MESTRE ''PENA BRANCA''.
    ASS' 'TAYNAN''

    ResponderExcluir
  9. Descobri Recentemente Que Carrego Pena Branca E Fiquei contente Com As Informações Aqui Encontradas..Axe

    ResponderExcluir
  10. Acabei de descobrir que tenho o senhor Pena Branca me acompanhando e fiquei muito honrado e feliz por ter em minha coroa um espirito tão sublime !!!!! " SALVE MESTRE PENA BRANCA"
    ASS: Marcello

    ResponderExcluir
  11. Adorei a historio do mestre pena branca, que deus o ilumine cada vez mais, para que el possa sempre praticar a caridade, seja em qualquer centro. Licia - Bahia

    ResponderExcluir
  12. muito forte seu pena branca
    eu tenho como guia o coral

    ResponderExcluir
  13. Quando eu estava com meus 7 dias de nascida, minha mãe levou-me já morta para um centro umbandista. Lá chegando explicou a entidade que lá estava que eu estava morrendo. Pena Branca olhou para mamãe chorosa e eu defunta e disse: "Calça branca mentiu, tire toda a roupa da criança..." Mamãe conta que ele me orou e disse para me levar para casa e que procurasse rã para me alimentar. Esse foi meu alimento até meus 3 meses de idade. Hoje estou com 45 anos e viva. Agradeço a Deus e depois a Pena Branca. Nunca esquecerei do que ele fez por mamãe e eu naquele dia. Obrigada Pena Branca. Muito Obrigada!

    ResponderExcluir
  14. Eu também tenho o Caboclo Pena Branca, uma honrra sem explicação!
    Salve Mestre Pena Branca.

    ResponderExcluir
  15. Salve seu Pena Branca. Me acompanha em todos os momentos, é proteção e auxílio sem fim. Emana cores divinas em direção daquele que chama por ti. Não tarda e nem falha no auxílio, se for esta a hora do merecimento de quem pede socorro.
    É de grande estatura e emana suas cores de cura através das mãos. Muito forte, lindo sem igual. Quanta luz!

    ResponderExcluir
  16. José Henrique12/03/14 10:40

    Descobri ontem que sou agraciado por Deus com o Caboclo Pena Branca como meu guia. Okê Caboclo Pena Branca!! Trabalhemos juntos em nome de Oxalá!!

    ResponderExcluir
  17. Salve ao cabloco Pena Branca. Agradeço ao a ty cabloco pelas palavras de força que tu me deu no momento tao difícil que eu estava passando, querendo desistir d tudo. Mais depois q vc baixou na minha irmã quando eu ficava só d cabeça baixou..com suas palavras me deram força para lutar nessa vida que nem tudo vem facil, ñ desistir no meio do caminho nunca lute pelo aquilo q vc sempre desejou.. agradeço a Deus e ao cabloco Pena Branca! !!

    ResponderExcluir
  18. Sou muito grato de trabalhar com o Caboclo Pena Branca.... Caboque meu Pai.

    ResponderExcluir
  19. Ainda não sei bem como isso acontece mas quero vivenciar dia apos dia essa nova descoberta!!! Salve Pena Branca!!!!

    ResponderExcluir